OUTUBRO A DEZEMBRO 2022 

 

OUTUBRO A DEZEMBRO 2022 

Um programa que cruza duas dimensões: global e local

 

Esfolheie a agenda: https://issuu.com/teatrodevilareal/docs/tvr-out-nov-dez-2022/1?ff=true

 

O programa que propomos para encerrar o ano, de uma intensidade e interesse que projecta fortemente Vila Real no panorama artístico do país, cruza duas dimensões, global e local, com um mesmo zelo pela qualidade.

Para além de uma programação diversificada nas várias áreas artísticas (teatro, dança, música e cinema), foram lançados desafios para projectos de colaboração entre criadores ou intérpretes locais e artistas de dimensão nacional. Com este foco, convidámos o trio Elas e o Jazz para um concerto com a Orquestra de Jazz do Douro. Do mesmo modo, desafiámos os Galandum Galundaina a partilhar o palco com A Trouxa Mouxa, numa celebração da música tradicional transmontana. Por outro lado, dois projectos que o Teatro de Vila Real ajudou a fundar, o Oniros Ensemble e a Banda Sinfónica Transmontana, têm palco e apoio para duas novas produções. E a comunidade local é ainda envolvida em várias acções de formação e em dois workshops associados a espectáculos com apresentação pública, num dos casos, e participação no espectáculo, no caso da coreografia “Margem” de Vítor Hugo Pontes.

O retomar em pleno de ciclos de programação como o Douro Jazz é oportunidade para ver artistas internacionais de renome como Stanley Jordan, um dos maiores guitarristas da actualidade, ou L.U.M.E., uma poderosíssima big band portuguesa. A dimensão regional no Douro jazz é também dada pelo admirável projecto de Isabel Ventura com jazz cantado em mirandês.

O Ponto de Guitarra traz, num diferente género musical, outro guitarrista de dimensão internacional, o argentino Roberto Aussel. E a presença internacional tem um terceiro momento com a pianista ucraniana Yuliia Kompaniiets.

Na impossibilidade de se referir neste espaço todos os espectáculos, vale a pena realçar que está prevista a estreia absoluta de quatro criações de teatro, co-produzidas pelo Teatro de Vila Real, duas delas de companhias locais, no conjunto das dez peças agendadas no trimestre. Um conjunto que se caracteriza pela originalidade de propostas e constitui um convite irresistível e um desafio para fruir grande teatro.

As Conversas de Bastidores, projecto iniciado em Setembro, propõem uma viagem pela arte a partir da biografia e da experiência de personalidades artísticas originárias da região. Procura-se com este ciclo valorizar e estimular o papel do espectador enquanto beneficiário privilegiado da experiência artística.

São mais de trinta propostas, a preços acessíveis, para um quotidiano cultural activo, que não deixa ninguém de fora.

capa agenda 77 2